quarta-feira, 24 de junho de 2009

a alma tem...

estados... de desânimo... de angústia...
de receio... de arrependimento... de cansaço.
estados ... estados de espírito...
estados e não modos.

sábado, 20 de junho de 2009

chego e tu não estás...

chego sempre atrasada à vida das pessoas...
chego e já não estão para mim...
é um atraso kármico...
é um atraso duradoiro, persistente...
atrasei-me outra vez, já não estás aí...

quarta-feira, 17 de junho de 2009

fui feita para quê???

“Há gente que é feita para viver e gente que é feita para amar.”

CAMUS

Mas só há um mundo. A felicidade e o absurdo são dois filhos da mesma terra. São inseparáveis. O erro seria dizer que a felicidade nasce forçosamente da descoberta absurda. Acontece também que o sentimento do absurdo nasça da felicidade. “Acho que tudo está bem”, diz Édipo e essa frase é sagrada. Ressoa no universo altivo e limitado do homem. Ensina que nem tudo está perdido, que nem tudo foi esgotado. Expulsa deste mundo um deus que nele entrara com a insatisfação e o gosto das dores Inúteis. Faz do destino uma questão do homem, que deve ser tratado entre homens. Toda a alegria silenciosa de Sísifo aqui reside. O seu destino pertence-lhe.
(O Mito de Síifo).

"ARE WE HUMAN OR ARE WE DANCERS"...





segunda-feira, 15 de junho de 2009

eu

hoje tenho pensado sobre tudo...
fico preocupada com o rumo...
estou principalmente preocupada comigo...
não me conheço.
eu não me conheço... e isso assusta-me,surpreende-me e coloca-me num lugar inócuo.
não percebo, a incapacidade face ao que não devo fazer.
não percebo, porque me contradigo e me contrafaço.
por isso vivo a minha humanidade no erro.
erro humano.erro.
humana.
eu errei.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

o que fazer???

o que fazer quando nos sentimos divididos...
o que fazer qd reconhecemos que n somos nós a fazer as coisas...e elas saiem feitas por nós como se duma escultura se tratasse...
que estrutura é esta que nos leva pra uma acção que realmente não faz parte do nosso espírito!
revejo milhares de vezes o que faço e milhares de vezes reconheço, que n fui eu quem as fiz...
eu ... sim eu...aquela que conheço e sei por onde e como vai...
mas assume meandros que desconheço...

o que fazer qd nós próprios somos a surpresa...
qd somos o próprio limite...
o que me faz correr o risco?
o que me faz n gostar assim tanto!